AQUI HÁ

sexta-feira, 14 de maio de 2010

SEM TÍTULO

Herdámos do vento a fala
das montanhas
Mas herdá-la
é domar esse cavalo
e pelo vento levá-lo
às luminosas entranhas

5 comentários:

Mai disse...

Um poema que doma o indomável.
O homem e a natureza.
A fala das montanhas são silvos como se fora beijos dos ventos nas folhas que flamejam sobre os galhos.
As florestas cantam, os moinhos de vento dançam, mas o homem não consegue domar os ventos.

Belo poema, Belo!

Solange Maia disse...

tudo tem seu preço...

adoro tuas palavras João...

são mel...

beijo

contagotas disse...

Sem título mas com foto perfeitamente adequada ao conteúdo do poema:
são montanhas com entranhas luminosas onde o vento ganha voz. Basta olhar!

Beijos

João Videira Santos disse...

Sucinto,como gosto e com tanto para "absorver".Parabéns!

Anónimo disse...

Que bom que é visitar-te ! ! !
Te gosto tanto ! ! !
vanda

(isto da palavra passe é uma inquietação ! Já não me lembro da minha...)

MIMOS