AQUI HÁ

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

O DIA DELA

Ela puxou pela pimenta
pisou os limites
para a tal ementa
densa de apetites
daqueles que pingam da esquina da Lua
Abriu a garrafa que há muito
jazia guardada
estrela inviolada
fera mansa e brava
que há muito aguardava e bebeu à sua

Lavou o peito com essências
Abusou dos sais
Chutou as prudências
e por querer mais
soltou o cabelo e o olhar brilhou
Mandou passear os chinelos
enfiou uns saltos
tão finos e altos
que a moral subiu
Gostou do que viu e rodopiou

Abriu o Livro dos Conselhos
na palavra amor
Mostrou os joelhos
mais do que o pudor
sempre protegera dos olhares ateus
Virou as pestanas em arco
e pintou uma linha
Com o gosto que tinha
do batom vermelho
deu um beijo ao espelho e escreveu “Adeus”

Música: Jorge Prendas

6 comentários:

Silvestre Gavinha disse...

E saiu vestida para matar...de amor.
Lindo
Marie

Paula Raposo disse...

Sempre lindo o que escreves! Não sei que possa dizer mais...beijos e bom fim de semana.

San disse...

adeus é uma palavra terrível...

MariaIvone disse...

Ai migo, já não há superlativos!

Vislumbra-se um íntimo contentamento neste adeus

peciscas disse...

Há dias em que a gente se solta, quebra amarras, transgride as regras.
E isso sabe sempre bem.
Muito embora se saiba que são dias com um adeus no fim...

Lena disse...

Adoro as tuas versalhadas.
Pronto.
E adeus.