AQUI HÁ

segunda-feira, 29 de março de 2010

ESTRANHA VONTADE

Negro é o meu vestido
Tem da noite o seu encanto
Faz realçar o sentido
Do sentimento contido
Nas outras cores que canto

O Fado não é razão
Que dê o saber aos sábios
É como a respiração
Nasce ao pé do coração
E morre à porta dos lábios

Onde mora esta ansiedade
Que domina a minha voz
Deve morar na saudade
Ou então é a vontade
De alguém maior do que nós

Música: João Gil (in Fados de Amor e Pecado)

2 comentários:

San disse...

grande Fado, isso sim!

contagotas disse...

É pecado ler teus versos!
Vou ter que me penitenciar senão acabo no inferno.

Bjos