AQUI HÁ

quinta-feira, 26 de março de 2009

TEMO POR TI

Tu nunca sentiste o lobo a uivar
Atrás de ti
Nunca lambeste a saliva da morte
Se achas que é só azar
Então sorri, sorri
Mas acredita que há dias de sorte

Tu nunca sentiste a Lua a morder
Dentro de ti
Nunca bebeste uma gota salgada
Se achas que é só o querer
Então sorri, sorri
Talvez ainda não quisesses nada

Tu não sabes o que é uma ferida aberta
(Temo por ti)
Nunca viste na carne a pequenez
A noite está alerta
Então sorri, sorri
Ainda vai chegar a tua vez

Tu nunca viste o fundo à maré-vasa
Dentro de ti
Não perdes o pé no teu coração
Abre a porta da casa
Então sorri, sorri
E vamos dar a volta ao quarteirão

Música: João Gil

4 comentários:

glória disse...

gostei dessa passagem do complexidade do sentimento amoroso para preciosidade do banal, do casual tecido na ordem do dia. bela cançào, vasta a tua sensibilidade. bjs , vc. mora em Lisboa?

Paula Raposo disse...

Que belo!! Fico sem palavras nas tuas 'versalhadas e afins' como intitulas o teu espaço...beijos.

peciscas disse...

Por vezes, um sorriso pode ser a chave que nos faz partir para a verdadeira descoberta da vida.
A que nos faz sentir a lua a morder, a que nos leva a beber gotas salgadas, a que nos obriga a sentir a pequenez da carne, a que nos abre feridas.
Mas chegará a nossa vez de vermos o fundo à maré-vasa e de ouvirmos o lobo a uivar.
Porque um sorriso pode ser a diferença entre um dia de azar e um dia de sorte.
A sorte que teremos de merecer e de procurar.

Bia Maia disse...

Nossa..."olhar dentro dos olhos" de seu blog é um presente!!Parabéns!
Estarei aqui mais vezes!
PARABÉNS por suas lindas palavras!

E seja muito bem vindo ao meu cantinho! :

http://olhardentrodosolhos.blogspot.com

Serei tua seguidora agora!

Bjo!

Bia Maia